top of page

CONHEÇA A REDE

QUEM SOMOS

Somos ativistas da sociedade civil organizada, trabalhadores e gestores do SUS unidos pelo fim da tuberculose no Brasil!
Os primeiros Comitês foram criados em 2007 a partir de um projeto financiado por uma organização internacional em parceria com o Ministério da Saúde. 

Mesmo após a finalização desse projeto, os comitês continuaram trabalhando. Com o potencial de serem um espaço democrático e de atuação horizontal entre diferentes mobilizadores sociais, foi formado, em 2012, a Rede Brasileira de Comitês para o Controle da Tuberculose.

NOSSA MISSÃO

Ser um articulador entre governo e sociedade civil, buscando integração e contribuição para as políticas públicas do controle da tuberculose no país, dando visibilidade às ações de mobilização, advocacy, comunicação social, monitoramento e avaliação, com vistas à garantia da cidadania e defesa do Sistema Único de Saúde (SUS).

OBJETIVOS

  1. Atuar junto às organizações governamentais e da sociedade civil, dando visibilidade às políticas públicas em defesa do SUS, com foco na tuberculose, considerando seus aspectos políticos e técnicos, fortalecendo a mobilização social e o monitoramento e avaliação.

  2. Promover a participação de profissionais e representantes da sociedade civil envolvidos no controle da tuberculose nos Comitês e proporcionar troca de experiências entre eles.

  3. Monitorar e avaliar a situação epidemiológica e operacional das ações de controle da tuberculose em relação às metas pactuadas a nível nacional, estadual e municipal, de acordo com as diretrizes do Programa Nacional de Controle da Tuberculose.

  4. Socializar as informações produzidas para o controle da tuberculose, com os profissionais de saúde e representantes da sociedade civil.

  5. Estimular e assessorar a criação de Comitês nos estados que ainda não possuem essa instância formalizada.​

ONDE ESTAMOS

AGENDA POLÍTICA

Eixos norteadores e respectivos objetivos que norteiam a construção de estratégias e ações dos Comitês de Controle da Tuberculose no Brasil  

Eixo 1: Garantia de Direitos e Proteção Social

  • Implementar a Instrução Operacional Conjunta (articulação SUS e Suas) 

  • Propor temas ao legislativo para elaboração de leis (estaduais e municipais) 

  • Pautar a articulação intra e intersetorial e a representatividade da sociedade civil nos espaços de planejamento, monitoramento e avaliação das políticas sociais 

  • Desenvolver ações conjuntas com outras áreas (educação, justiça, assistência social, direitos humanos etc.)

 

Eixo 2: Comunicação em Saúde e Visibilidade da TB

  • Visibilizar a TB e as ações do Comitê 

  • Articular estratégias integradas (incluindo populações vulneráveis e comorbidades) 

  • Avançar no diálogo intra e intersetorial relativo à agenda da TB

Eixo 3: Fortalecimento e Sustentabilidade dos Comitês

  • Técnica 

  • Política 

  • Financeira

COMO MONTAR UM COMITÊ

1: Formalização do comitê

  • Identificação de parceiros estratégicos

  • Articulação com a Coordenação do Programa local de TB (PECT/PMCT)

  • Busca de apoio da SES/SMS

  • Adaptação do regimento interno (com missão e objetivos)

  • Elaboração da carta de apresentação

  • Instituição das representações

 

2: Construção do plano de trabalho

Utilizar como base a Agenda Política da Rede de Comitês e traçar prioridades conforme a realidade epidemiológica, social e operacional da TB. Buscar, para além das atividades específicas, a integração ao trabalho dos PECT e PMCT.

Algumas atividades-chave podem ser incorporadas aos planos de trabalho dos Comitês, como:

  • Participação em capacitações, encontros técnicos e eventos científicos, políticos e sociais relacionados à TB.

  • Reuniões com secretários municipais de saúde, conselhos, parlamento e/ou seus representantes para sensibilização sobre TB e advocacy em relação ao compromisso político das gestões locais na luta contra a doença, como na inclusão da tuberculose no Plano de Saúde local e no estímulo à ampliação das ações de controle social relacionados à TB.

  • Apoio no planejamento das atividades de controle da doença nos territórios.

  • Ampliação de parcerias com secretarias, ONG, indústria, comércio e universidades a fim de conseguir viabilização financeira e/ou de recursos humanos para a realização de atividades.

  • Ações na defesa dos direitos humanos e ampliação da proteção social, com foco no enfrentamento ao estigma e discriminação das pessoas acometidas pela TB.

  • Ações sociais voltadas a grupos de maior vulnerabilidade ao adoecimento por TB, como a doação de cestas básicas para pessoas em tratamento da doença.

  • Elaboração e disseminação de conteúdo sobre TB em mídias sociais (Facebook, Instagram, dentre outros) e imprensa (rádios, jornais, revistas).

  • Desenvolvimento de atividades de mobilização social e culturais, como oficinas de teatro, música, grafites e exposições sobre a história da tuberculose.

3: Monitoramento e avaliação do processo de trabalho

 

4: Divulgação das ações realizadas pelo Comitê

COMO SE TORNAR MEMBRO OU PARCEIRO DE COMITÊ

Para se tornar membro e ajudar na luta contra a tuberculose, entre em contato com o comitê do seu estado. Para saber os contatos, acesse aqui

bottom of page